Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Juma

Área 589.611,28ha.
Jurisdição Legal Amazônia Legal
Ano de criação 2006
Grupo Uso Sustentável
Instância responsável Estadual
Documento Decreto - 26.010 - 03/07/2006

Mapa

Municípios

Município(s) no(s) qual(is) incide a Unidade de Conservação e algumas de suas características

Municípios - RDS do Juma

# UF Municipality População (IBGE 2018) População não urbana (IBGE 2010) População urbana (IBGE 2010) Área do Município (ha) (IBGE 2017) Área da UC no município (ha) Área da UC no município (%)
1 AM Novo Aripuanã 25.237 7.377 14.074 4.117.965,60 583.676,45
98,99 %

Ambiente

Fitofisionomia

Fitofisionomia (cursos d'água excluídos) % na UC
Floresta Ombrófila Densa 100,00

Bacias Hidrográficas

Bacia Hidrográfica % na UC
Madeira 100,00

Biomas

Bioma % na UC
Amazônia 100,00

Gestão

  • Órgão Gestor: (SEMA-AM) Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas
  • Tipo de Conselho: Deliberativo
  • Year of creation: 2009

Documentos Jurídicos

Documentos Jurídicos - RDS do Juma

Tipo de documento Número Ação do documento Data do documento Data de Publicação Observação Download
Portaria 129 Conselho 13/07/2009 17/07/2009 Cria o Conselho Deliberativo da RDS do Juma. Substitui a portaria de mesmo número, publicada em 02/07/2009 por apresentar incongruências.  
Portaria 008 Conselho 18/01/2010 26/01/2010 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da RDS do Juma  
Portaria 125 Instrumento de gestão 22/09/2010 27/09/2010 Aprova o plano de gestão da RDS do JUMA.  
Decreto 26.010 Criação 03/07/2006 03/07/2006 Governador do AM cria a RDS do Rio Madeira, com os objetivos de preservar a natureza, assegurar as condições e os meios necessários para a reprodução e a melhoria dos modos e da qualidade de vida e exploração dos recursos naturais das populações tradicionais, valorizar, conservar e aperfeiçoar o conhecimento e as técnicas de manejo do meio ambiente desenvolvidas pelas populações tradicionais, dentre outros. Com área aproximada de 589.611 hectares.  
Portaria 57 Acesso ao PRONAF 12/11/2007 23/11/2007 A SUPERINTENDENTE REGIONAL DO INCRA NO ESTADO DO AMAZONAS CONSIDERANDO o parecer conclusivo dos setores técnicos desta Superintendência, consubstanciado nas legislações e normas pertinentes à matéria, resolve: Art 1o- Reconhecer a Reserva de Desenvolvimento Sustentável - RDS do Juma, código SIPRA AM0111000, localizada no Município de Novo Aripuanã, no Estado do Amazonas, com área de 589.611,28 ha, visando atender 157 famílias de pequenos produtores rurais; Art 2o- Determinar que tal aprovação permita a RESEX participar do Programa de Crédito Instalação e de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF, no grupo "A", obedecidas às normas desta Autarquia. RETIFICAÇÃO da Portaria No- 057/2007, de 12 de novembro de 2007, publicada no D.O.U. 220, de 12 de novembro de 2008, que reconheceu a RDS do JUMA, localizada no Município de Novo Aripuanã, onde se lê: "...200 (duzentas) famílias de pequenos produtores rurais, leia-se: ... "300 (trezentas) famílias de pequenos produtores rurais". -

Documentos de gestão - RDS do Juma

Tipo de plano Ano de aprovação Fase Observação
Plano de gestão ambiental 2010 Aprovado Port N 125 (DOE 27/09/2010)

Sobreposições

Não existem sobreposições desta Unidade de Conservação com outras Áreas Protegidas.

Principais Ameaças

Desmatamento na Amazônia Legal

Este tema apresenta a análise dos dados de desmatamento produzidos pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), que mapeia somente áreas florestadas da Amazônia Legal. Os dados do Prodes não incluem as áreas de cerrado que ocorrem em muitas Unidades de Conservação no bioma Amazônia.

Focos de calor

Área de abrangência do ponto: um foco indica a possibilidade de fogo em um elemento de resolução da imagem (pixel), que varia de 1 km x 1 km até 5 km x 4 km. Neste pixel pode haver uma ou várias queimadas distintas, mas a indicação será de um único foco. Se uma queimada for muito extensa, será detectada em alguns pixeis vizinhos, ou seja, vários focos estarão associados a uma única grande queimada.

Total identificado de desmatamento acumulado até 2000: 5664 hectares
Total identificado de desmatamento acumulado até 2017: 7382 hectares

Características

ATRIBUTOS NATURAIS : Drenada pelo rio Aripuanã, um dos maiores afluentes do rio Madeira. É um rio de águas claras, que se origina no antigo e erodido maciço brasileiro. Formações florestais diversas: Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas, Floresta Ombrófila Densa Submontana, Floresta Ombrófila Densa Aluvial, Florestas Alagáveis por água barrenta ("várzea"), por águas transparentes e pretas ("igapó"), e sistemas mistos, além de formações pioneiras com influência fluvial e/ou lacustre.

BIODIVERSIDADE : Segundo pesquisadores, a região do baixo rio Aripuanã é um dos locais mais interessantes de toda a Amazônia do ponto de vista da conservação da biodiversidade. Elevada riqueza de espécies, registros de táxons novos para a ciência, padrões de endemismo em margens opostas do rio (incluídas na reserva) e a presença de uma formação vegetal única e extensa de campinas. Cerca de 242 espécies vegetais já foram identificadas. Entre os mamíferos, ocorrem até 21 espécies de micos, sagüis e macacos, o que representa a maior diversidade de primatas de todo o planeta. Pelo menos três espécies novas de peixes, sendo duas do rio Mariepaua, foram encontradas. Mais de um terço de toda avifauna brasileira encontra-se na região, cerca de 400 espécies já registradas, e estima-se que este número possa chegar a 600.

INFRA-ESTRUTURA : O acesso à area é feito por via aérea ou fluvial no trecho Manaus/Novo Aripuanã.

SÓCIO-ECONOMIA : Cerca de 11 comunidades habitam a reserva praticando o roçado. Existem áreas de "terra preta", que resultaram de atividades agrícolas de paleoindígenas que habitaram a região entre 1500 e 2000 anos, e são utilizadas para o cultivo de subsistência. A extração de madeira, ouro e seixo, assim como o extrativismo dde óleo da copaíba, são as principais atividades econômicas. Há a presença de mogno e o interesse comunitário para sua comercialização. A região está ameaçada pelo avanço do desmatamento para plantio de soja, pela iminente exploração madeireira e pelo projeto de construção de duas hidrelétricas no alto Aripuanã (MT), que terão um profundo impacto na biota e na paisagem. Em seus sítios arqueológicos é possível encontrar utensílios como machados e cerâmicas. Forte potencial ecoturístico, inclusive turismo ornitológico e educativo.
(fonte: Unidades de Conservação do Estado do Amazonas. Manaus:SDS/SEAPE, 2007)

Contato

Centro Estadual de Unidades de Conservação - CEUC (AM)
Av. Mário Ipiranga Monteiro, n° 3280 - Parque 10
CEP: 69050-030 - AM
Email: ceuc@ceuc.sds.am.gov.br
Tel: (92) 3642-4607
Site: http://www.ceuc.sds.am.gov.br

Notícias

Total de 121 notícias sobre a área protegida RDS do Juma no banco de dados RSS

Ver todas as notícias dessa área protegida

 

As notícias publicadas neste site são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.