As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Seculo Diario - http://www.seculodiario.com.br/
31/05/2018
Aprovada reducao da APA do Mestre Alvaro em mais de mil hectares

Aprovada redução da APA do Mestre Álvaro em mais de mil hectares

Século Diário | Por Fernanda Couzemenco
31/05/2018 - 14h06

A Área de Proteção Ambiental (APA) do Mestre Álvaro, na Serra, será reduzida em 1.351 hectares. Essa é a proposta do Governo Paulo Hartung, aprovada nessa
quarta-feira (30) pela Assembleia Legislativa em votação simbólica, com poucas vozes dissonantes.

O PL 99/2018 altera a Lei no 4.507/1991, reduzindo o tamanho da APA dos atuais 3.740 para 2.389 hectares, além de prever a possibilidade de transferir a gestão da unidade para o município, onde parques e reservas estão abandonados e sem qualquer estrutura para a recepção de visitantes.

Além de sua importância para o paisagismo e a conservação da biodiversidade, a APA do Mestre Álvaro também é fundamental para o equilíbrio hídrico da região. Os alagados que a cercam, no entanto, próximos à Rodovia do Contorno, são alvo de intensa especulação imobiliária e industrial.

Calcula-se que pelo menos cinco mil hectares de alagados no entorno da APA deveriam ter uma medida específica de proteção legal. Mas ao invés disso, a APA, com área já insuficiente, é reduzida.

O deputado Sergio Majeski (PSB) foi um dos poucos a se posicionar contra a medida, que fere frontalmente a orientação dos ambientalistas e pesquisadores da Mata Atlântica capixaba. "É uma irresponsabilidade! O Mestre Álvaro já vem sendo ocupado irregularmente, não tem guarda florestal, não tem trilhas bem-feitas, não tem acompanhamento pra quem visita a região. Ao reduzir, vai incentivar mais a degradação ambiental daquela regia e a especulação imobiliária", protestou Majeski, após a votação.

O deputado lembrou ainda um Termo de Compromisso Ambiental (TCA) assinado entre o governo estadual e o Ministério Público (MPES) em 2014, em que o Estado ficou obrigado a realizar uma série de medidas elementares para a conservação da biodiversidade capixaba, entre elas, instalar bases de apoio, contratar guardas florestais, incentivar a pesquisa científica e atualizar/elaborar Planos de Manejo das unidades de conservação.

"Até agora nada disso foi feito. O governo não cumpre o termo de compromisso assinado em 2014 e ainda manda um projeto desses que só acirra a degradação ambiental da região do Mestre Álvaro, que é uma referência pra toda a Grande Vitória", denuncia.

O deputado Bruno Lamas (PSB) não chegou a tempo de votar a matéria, mas se posicionou contra a medida. "É um patrimônio dos capixabas, especialmente dos serranos, prestes a perder uma área de quase 10 milhões de metros quadrados em uma demarcação", lamentou.

O parlamentar afirmou ainda que a matéria foi aprovada sem a devida documentação. "O projeto não foi amplamente debatido, é obscuro, e não traz nenhum benefício para o município da Serra", finalizou. Lamas disse que vai recorrer, solicitando a anulação da votação.

http://seculodiario.com.br/38926/10/assembleia-aprova-reducao-da-apa-do-...