As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

ICMBio - www.icmbio.gov.br
24/07/2009
Livro expoe a beleza e a diversidade das aves do Parque Nacional Cabo Orange

Os 619 mil hectares do Parque Nacional do Cabo Orange, no Amapá, lá na pontinha norte do Brasil, entre os municípios de Calçoene e Oiapoque, é morada de inúmeras espécies de aves. São tantas que só mesmo um estudo minucioso, com horas e horas de imersão total na floresta, para se conseguir catalogá-las. E foi justamente isso que fez uma equipe de especialistas e fotógrafos do Instituto Chico Mendes (ICMBio), integrantes do Centro Nacional de Pesquisa para Conservação de Aves Silvestres (Cemave).

A decisão de listar os tipos de aves existentes no Cabo Orange foi tomada em 2004, quando o grupo fez a primeira incursão na Unidade de Conservação (UC). A beleza e variedade dos pássaros era tanta que os analistas resolveram colocar à disposição do público esses registros, de modo que eles não ficassem restritos a uns poucos pesquisadores.

Assim, no ano passado, foi editado o Guia de Campo: As aves do Parque Nacional do Cabo Orange, que traz, entre outras, imagens de garças, maçaricos e flamingos, que dão o ar da graça na área durante as rotas migratórias. Ao todo são 1.800 espécies diferentes, sendo que 160 subespécies são ameaçadas de extinção, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente. O conteúdo do livro está disponível na internet no site www.icmbio.gov.br/cemave.

TURISMO E GESTÃO - Os primeiros resultados dessa investigação da avifauna do Parque Nacional do Cabo Orange já são sentidos claramente. "O Guia, como o próprio nome já diz, é uma ferramenta para o turismo de observação de aves, mas também é um instrumento de gestão e controle da unidade, pois, com base nestas informações, podemos aferir se está havendo alguma agressão à unidade. Ou seja, as aves podem ser utilizadas como bioindicador das condições ambientais," explica Elivan.

Para chegar ao produto final, cujo valor científico e social não pode ser mensurado, como ressalta o pesquisador, muita gente precisou unir forças. "A equipe gestora do parque foi a grande incentivadora, comprando a idéia de elaboração do Guia. As comunidades ribeirinhas e indígenas foram grandes fontes de informações e de solidariedade com o nosso trabalho, mas não podemos esquecer as instituições governamentais e não governamentais que estavam e estão sempre presentes nesta caminhada. Na verdade, ninguém executa um projeto deste sozinho", afirma.

Além de todos esses segmentos citados por Souza, a obra teve a participação dos cientistas Andrei Langeloh Roos, Maria Flávia Conti Nunes e Helder Farias Pereira de Araújo. As imagens foram registradas pelos fotógrafos Robson Esteves Czaban e Ciro Albano.

No levantamento de dados e imagens das avens, agora acessíveis com um só clique no computador, os pesquisadores do Cemave viveram muitas aventuras. Eles percorreram várias regiões do parque, cujo acesso não é nada fácil, e que só foram alcançadas com ajuda de embarcações especiais e guias que iam abrindo caminho.

O cientista e analista ambiental Elivan Arantes de Souza, um dos pesquisadores e organizadores do Guia, narra as peripécias vividas durante os estudos. Cada expedição, segundo ele, era cuidadosamente planejada, mas as adversidades nesse ambiente são imprevisíveis. Lama, chuvas, picadas de insetos, rugidos de onças perto da embarcação, jacarés de cinco metros ou mais de comprimento foram algumas surpresas com as quais eles se depararam durante as pesquisas.

Souza conta que houve casos em que as embarcações quebraram no meio do caminho e acabaram sendo rebocadas por pequenas barcos de pescadores. "Além disso, carros atolaram na lama e a equipe teve que se locomover a pé por longas distâncias, entre outros fatos que tornaram os trabalhos de levantamento faunístico uma verdadeira aventura," diz ele.

Tudo isso deixou a pesquisa ainda mais especial. Por isso, Elivan de Souza não esconde a satisfação de ter feito parte desse trabalho. "A cada finalização de projetos sentimo-nos satisfeitos e envaidecidos. Todavia, o maior prazer reside no fato de ver a dimensão social e ambiental de nossa contribuição no presente e para o futuro."

Serviço:
Para acessar ou baixar o Guia de Campo: As aves do Parque Nacional do Cabo Orange acesse www.icmbio.gov.br/cemave.