As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos.

Observatorio de UCs - http://observatorio.wwf.org.br/
30/04/2015
Projeto pioneiro colocara sensores baratos de qualidade d'agua na Amazonia

Via de regra, sem rede de esgoto adequada, as cidades e povoados no interior da floresta amazônica correm o risco de que seus habitantes ingiram água contaminada.

Uma equipe da Rede InfoAmazônia, formada por desenvolvedores de sistemas de informática, quer provar que é possível medir diariamente, e em tempo real, se a água que uma comunidade no coração da Amazônia está consumindo é potável.

Para isso, este grupo desenvolve sensores de qualidade d'água baratos e um sistema que envia sinais de alerta à população local. O equipamento será instalado nas caixas d'água de uma amostra de famílias.

"Queremos criar um equipamento que seja mais eficiente e com um décimo do custo dos equivalentes comerciais, para engajar as pessoas no monitoramento ambiental", disse VJ Pixel, coordenador do projeto e responsável por desenvolver o dispositivo. O sensor em construção se enquadra no princípio do "hardware livre": projeto e componentes estão abertos e disponíveis ao público.

Cada sensor tem o tamanho de uma caixa de sapato e deverá custar R$1 mil, enquanto os sensores comerciais custam a partir de R$10 mil.

As primeiras experiências serão feitas nas proximidades de Santarém, no Pará, em comunidades localizadas na bacia do rio Amazonas e do rio Tapajós, que ficam dentro de duas Unidades de Conservação: a Reserva Extrativista Tapajós Arapiuns e a Floresta Nacional do Tapajós.

Como a tecnologia ainda é experimental, os resultados dos sensores do projeto serão validados por voluntários. Vinte deles já foram treinados para ir até o local do sensor e repetir os testes com kits portáteis. Confirmada a contaminação, mensagens de SMS às centenas serão enviadas as famílias que se cadastrarem para receber essas notificações. A meta é atingir diretamente 2 mil pessoas. Uma vez sabedoras da qualidade da sua água, as pessoas poderão pressionar as autoridades por melhorias de saneamento.

A iniciativa da Rede InfoAmazonia é uma das dez selecionadas pelo Desafio de Impacto Social promovido pelo Google no Brasil, em 2014. Segundo Pixel, no país não há qualquer outro projeto semelhante.

Espera-se que em julho deste ano as comunidades envolvidas já tenham instalados os sensores e começado as medições.

http://observatorio.wwf.org.br/blog/2015/04/30/projeto-pioneiro-colocara...